Instant message, redes sociais e o impacto para as corporações

Em um cenário em que somente o Facebook tem mais de 1 bilhão de usuários e o Twitter mais de 500 milhões de tweets diariamente, as redes sociais e os meios de comunicação instantâneos podem ser sinônimo de dor de cabeça para algumas empresas. Devemos perceber os dois lados da moeda, temos exemplos positivos como o da empresa brasileira Tecnisa, que tem 30% de suas vendas baseadas em sua presença digital, quanto negativos, como o da Locaweb que demitiu seu diretor comercial devido à comentários inapropriados sobre futebol feitos por ele em seu Twitter, associando o nome da empresa.

A principal preocupação das empresas no que tange as redes sociais e os famosos mensageiros instantâneos como Skype, é a improdutividade que eles podem causar devido às horas gastas pelos colaboradores durante o período de trabalho. E aí, no “desespero” de por um fim nisto pelo caminho mais curto, as empresas proíbem o seu uso bloqueando o acesso.

Mas será que esta é mesmo a melhor opção?

Em muitos casos a própria empresa está inserida nas redes sociais, portanto a função de alguns colaboradores exige acesso à elas, seja pela simples atualização de uma página ou por estratégias mais agressivas de marketing, e isto, por si só, já é motivo suficiente para respondermos que não. Bloquear o acesso às redes sociais não é o melhor caminho. Muito pelo contrário, esta atitude, além de dificultar a rotina do profissional, pode causar uma impressão de repressão e desconfiança, desmotivando todo o corpo funcional.

Acompanhar o avanço tecnológico não significa perder o controle de seus processos, tampouco abrir espaços para vulnerabilidades. Muitas empresas que já são adeptas do uso de plataformas digitais durante o expediente, garantem que isto funciona como uma válvula de escape para momentos de estresse, e podem levar o colaborador a “turbinar” sua mente e ter “insights” interessantes para as rotinas de suas atividades, e a consequência disto, é justamente a melhora na produtividade.

O grande ponto nessa situação é controlar. O mercado está repleto de alternativas para personalização dos sistemas empresariais, dando acesso à web conforme a necessidade de cada funcionário ou departamento, ou apenas considerando a necessidade do colaborador por buscar informações, entreter-se ou calibrar seu relacionamento pessoal e profissional. Tratam-se de soluções de gerenciamento e monitoramento de acesso que, através de funcionalidades como configuração de tempo de uso e acesso de acordo com políticas da empresa, auxiliam na criação de cultura nos funcionários para utilização das redes sociais da maneira ideal e estruturam toda a rotina de acesso à internet para que possam ser analisadas a qualquer momento pelos gestores.

É importante ter em mente que a utilização de redes sociais é um comportamento consolidado. Se os aplicativos de mensagem instantânea e redes sociais online forem bloqueados, haverão conversas paralelas pessoalmente, por telefone e outros meios fora da rede – já nomeado por muitos como rede social “offline” – o que já não permite um controle tão conciso.

A Netsul tem a preocupação de estar sempre atualizada quanto às novas tendências tecnológicas e recursos capazes de controlá-las para que as empresas usufruam apenas do que elas trazem de positivo para o âmbito corporativo. Se a sua empresa está tendo dificuldades para controlar a navegação dos colaboradores na web, experimente conversar com um técnico da Netsul para conhecer algumas soluções.